was successfully added to your cart.

Carrinho

Não discorrerei aqui sobre o atual problema no nosso país, o corona vírus (COVID-19), porém o nosso papo de hoje também poderia ser aplicado a tal caso [risos]. É amplamente sabido que toda ideologia ou ação coletivista em seu ápice geralmente resulta numa atitude de “histeria coletiva”.

A medicina antiga pensava que a histeria era uma psiconeurose específica das mulheres. Caracterizada pelo descontrole das emoções, nasceria no útero, e por isso o nome “histeria”, uma vez que “útero”, em grego, é hystéra. Hysterikós, por extensão, é aquele que se mostra nervoso, ansioso, irritado.

Quando passamos a nos associar a um grupo ou agir como ele deixamos de lado todas as nossas características pessoais, identitárias, morais e religiosas para nos adequar ou sermos plenamente aceitos por esse, instantaneamente nos tornamos parte de uma “manada” ou quem sabe até em muitos casos de uma quadrilha [risos].

Desde minha adolescência como fruto de minhas experiências espirituais, Bíblia, e filosóficas, Nietzsche, busquei ser fiel aos meus valores morais e étnicos não permitindo me corromper à propostas ou “modas passageiras”, sendo elas concernentes a minha religião, grupos de amigos, profissionais, amorosos etc.

Até hoje me sinto um outsider, quanto a forma de praticar a minha fé, sou cristão, porém não me considero evangélico ou protestante, em relação a minha profissão, sou professor de Língua Portuguesa, mas em nada me assemelho a um professor dada a minha aparência, forma de falar, agir e metodologia, aos meus findados relacionamentos amorosos, nunca me permiti agir como todos os meus amigos que traiam as suas respectivas parceiras, enganavam, mentiam, eram passivos etc, aos gêneros cinematográficos e musicais aos quais consumo, em geral não gosto de filmes blockbusters ou de ir à cinemas, a comidas e bebidas, posso comer pão com ovos no almoço, assim como pizza no café-da-manhã e ou até mesmo ficar sem beber durante todo um encontro com amigos em uma festa se lá houver apenas cervejas pilsen e não do tipo que gosto, larger.

Sem título-1

Desta forma como fruto dessas atitudes tão “antissociais” tornei-me um homem mais recluso e ao mesmo tempo mais sui generis, único, incomparável. Descobri-me então um espírito livre e desde aquele momento não permito mais que durma comigo em minha cama a escravidão.

PS: e não se esqueça que HISTERIA é um substantivo feminino ou seja, próprio de muié, logo…

Thiago Leão.


@sirthiagoleao


thiagoisdead.wordpress.com

Thiago Leão

Sobre Thiago Leão

Sou um escritor marginal, humorista anarquista por hobbie e professor por opção. Costumo vestir t-shirts de tons escuros, bermudas e tênis low canvas, enfim um profeta eremita pago pelo governo para transformar idéias em desejos nas pessoas.

2 Comments

  • Samuel C. disse:

    fraco demais, distorce a lógica naquele parâmetro típico dos jovens rebeldes de hoje que acham que por nao seguir ao que é maisntream, acham que pensam fora da caixa, que sao especiais e que sao os iluminados. essa atitude é importante sim, mas nao suficiente. é necessário muito esforço para desconstruir o estabelecido. já ouviu falar de consenso científico? pois é, você e sua trupe são o típico caso que rejeita o consenso e prega “verdades” alternativas como o verdadeiro , que nao se baseiam em lógica, só em rebeldia.

    por se aliar a Bernardo Kûster (creio que seja assim, nao me interessam insetos que nao sabem usar a razão), um charlatão, este blog tem credibilidade zero. mas parabéns por ser único (risos)

  • Samuel C. disse:

    este site censurou meu comentário, já mostra que falha no seu objetivo de “mostrar a verdade”

Leave a Reply